sábado, 7 de fevereiro de 2009

And her name was... Carla



Sacaraficam-se as almas,
Peregrinam-se em tempos distantes,
Deixam-se fugir momentos importantes ou perdemo-los de propósito.
Amestra das palavras,
Canta as trovas de maiores conformidades com as regras,
E se nos definimos pela nossa imoderação?
Explicamos todos os mitos ou as quadraturas do círculo?
És como Hecate de três faces distintas,
Os segredos e os esconderijos descobertos,
Mitemas
Apoteose,
Encantadores efeitos de luz ,
A fórmula de Deus,
Um críptido coração,
Teurgia nas mãos,
És bailarina em Atlantis,
Um oitavo dia de criação,
Uma maior advinda,
Demiurgo de aperfeiçoadas magias.
Oh beautiful selkie, you try so hard to be human!

Choros perdidos,
Deserção da fé,
Precisamos apenas de estudar o universo como um todo
Spiritum mediums,
Infieis pregadores…

And her name was Carla,
Sincrética
Pequena hóstia sem deus,
Teus olhos agarram pela amarra, aproando ao vento e à maré,
Teus cabelos são catadupas de negro,
Falas em melopeias.

Procuramos todos El Dourado.

Não temos exegese para certas leis.
Sublimidade de beleza,
Brincamos em cidades fantasma
Enquanto o piano soa baixinho.
Somos os germes de Elohim,
Caminhando sobre gelo quebradiço.

And her moves, her look
She is the cleansing and the catharsis.
Camaleónica folha que dança ao sabor do vento.


Templates by Morgana 13 Luas Anthropia -the altar of trust

3 comentários:

Silent Raven disse...

Já te disse que te adoro, miúda? Thank you so much...

Bruno Pereira disse...

excelente poema :D. e a destinatária merece :D

casa da poesia disse...

"Queen of all the me, Radiant Light,
life-giving woman..."...!?..."oh beautiful swelkie, you try so hard to be human!"...portentoso! poetiza!